Acompanhe as últimas notícias da Cidade de Candeias na Bahia com credibilidade na informação sobre política, esportes e ações policias da região.

Prefeito de Madre de Deus Jeferson Andrade é afastado do cargo por decisão judicial

O prefeito de Madre de Deus, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), Jeferson Andrade (PP), foi afastado do cargo por decisão judicial nesta quinta-feira (12). A sentença é do juiz de direito Glauco Dainese de Campos e acata denúncia de improbidade administrativa do Ministério Público do Estado (MP-BA). A decisão determinou também o afastamento do vereador Anselmo Duarte, do secretário de Esportes, Jibson Coutinho, e dos servidores Tânia Pitangueira e Adailton Cosme dos Santos.

Em janeiro deste ano, o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) negou um pedido do prefeito de Madre de Deus, Jefferson Andrade (DEM), para suspender uma investigação do MP-BA contra ele.

Denúncia

O Ministério Público Estadual (MP-BA) entrou com uma ação civil pública na Justiça contra o prefeito de Madre de Deus, Jeferson Andrade (DEM); o vereador Anselmo Duarte (DEM), o secretário municipal Jibson Coutinho; o chefe de Gabinete da Câmara, Adailton Cosme e a assessora municipal Tânia Pitangueira. De acordo a ação do Ministério Público, os integrantes atuavam em um suposto esquema de “enriquecimento ilícito” perpetrado na Câmara Municipal de Vereadores de Madre de Deus, durante os anos de 2010 e 2012.

A ação foi assinada pelos promotores do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa (Gepam). Uma das peças da ação pede a perda da função pública dos políticos.

Segundo as promotoras de Justiça Célia Boaventura, Patrícia Medrado e Rita Tourinho estão relacionadas a um acordo, no qual, os envolvidos ajustaram a eleição da chapa vencedora para a mesa diretora da Casa Legislativa, condicionando a distribuição de verbas públicas entre eles.

Ainda de acordo com as promotoras, as verbas seriam usadas em benefício deles próprios. O objetivo do acordo era fazer com que Jeferson pudesse assumir a Presidência da Câmara e, por conseguinte, a Prefeitura, ainda que interinamente (o que de fato acabou acontecendo). Dessa forma ele teria a oportunidade de distribuir benesses entre os seus aliados de forma ilícita.

De acordo com a denúncia, os acionados praticavam atos de improbidade. Foi apurado ainda um “inconteste prejuízo ao erário decorrente do acordo”. Documentos do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) indicam o cumprimento dos termos do “ilícito” ajuste.

No “Termo de Acordo” assinado pelos cinco participantes do esquema, observa-se a distribuição de vantagens ilícitas de verbas públicas entre os mesmos, como a criação de cargos comissionados; o superfaturamento de contratos; o recebimento ilícito de 5% para cada vereador envolvido, com relação aos valores dos contratos firmados para reforma e construção do prédio da Câmara, aniversário da cidade, bem como de outros eventos; a manutenção das cotas de combustível em proveito próprio, inclusive com acréscimo de valor em dinheiro; e o aumento do duodécimo da Câmara no exercício posterior.

  1. Dani Santos Fox
    Dani Santos Fox Diz

    Tudo ladrão da pior espécie. O por isso de estarem todos ricos bem estruturados. Com o dinheiro público.. cadeia nessa corja todinha.

  2. José R Santos
    José R Santos Diz

    falta um da cidade vizinha adivinha dr

  3. Joao Oliveira De Macena Macena
    Joao Oliveira De Macena Macena Diz

    Safados, sem vergonha, e o povo ainda fica adorando esses deuses! Cada p8vo tem o governo q merece, essa regiao metropolitana eh uma piada, o de Candeias anterior caiu, Santo Amaro caiu, S.Francisco ja sabemos como é, agora Madre q maravilha, mas o povo de la gosta, gostavtanto que ele esta no poder!

  4. Enquanto isso em Madre de Deus.
    Enquanto isso em Madre de Deus. Diz

    Já vai tarde

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.