Secretário da Cultura de Bolsonaro imita ministro nazista em pronunciamento

2

O secretário especial da Cultura do governo de Jair Bolsonaro (Sem partido), o diretor de teatro Roberto Alvim, fez um discurso, na noite da última quinta-feira (16), para divulgar as políticas públicas a serem implementadas na área. Durante o pronunciamento, ele cita trechos de uma fala do ministro da Propaganda de Hitler, Joseph Goebbels.

Na fala, Alvim afirma que “a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo – ou então não será nada”.

A declaração é parecida com a usada pelo ministro nazista, dita em 8 de maio de 1933, no hotel Kaiserhof, em Berlim, voltada para diretores de teatro. “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada.”

Esta não é a única referência que Alvim faz ao nazismo no discurso. Ele usa a canção do compositor Richard Wagner, que usou na música “Lohengrin” falas contra o “judaísmo na música”. Em sua autobiografia, Hitler disse que a ópera de Wagner teve importância capital em sua vida. A composição pode ser ouvida enquanto Alvim faz o pronunciamento.

Confira o discurso do ministro de Bolsonaro:

  1. Valtenci De Lima Bispo Bispo Diz

    Já foi tarde

  2. Ferreira Silva Diz

    Já vazou esse otário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Secured By miniOrange