Lula celebra resultado do PIB e afirma que País segue rumo certo

Por Redação
3 Min

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou, nesta terça-feira (4), o avanço do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, no primeiro trimestre de 2024. O crescimento foi de 0,8% em comparação com o desempenho da economia no último trimestre do ano passado, após dois trimestres consecutivos de estabilidade.

“O PIB avançou no primeiro trimestre deste ano puxado pelo maior consumo das famílias e serviços”, afirmou o presidente, ao citar dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No acumulado de 12 meses, o crescimento da economia soma 2,5% e, em valores correntes, o PIB atinge R$ 2,7 trilhões.

“Outra boa notícia é que, segundo a previsão do FMI [Fundo Monetário Internacional], o Brasil subirá mais uma posição, chegando ao 8º PIB mundial. Mais uma prova de que estamos no rumo certo”, completou Lula, em seu perfil na rede social X.

Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, ou seja, os três últimos meses de 2023, a alta de 0,8% do PIB em 2024 representa uma retomada, após o recuo de 0,1% registrado no fim do ano passado. O resultado de 0,8% é o maior desde o segundo trimestre de 2023, quando a economia cresceu 0,9%.

Investimento e consumo das famílias

Em nota, o Ministério da Fazenda afirma que o resultado foi influenciado pelo crescimento acima do esperado do PIB de serviços, repercutindo a expansão da massa de rendimentos, das concessões de crédito e o pagamento de precatórios. “O resultado veio acima da mediana das previsões de mercado e em linha com a projeção da Secretaria de Política Econômica”.

“Avanços expressivos foram verificados para atividades de informação e comunicação e imobiliárias, para o comércio, para os transportes e para outras atividades de serviços, relacionadas a serviços prestados às famílias”, acrescenta a pasta.

O comunicado destaca que, dentre os países que compõem o G20 e que já divulgaram o resultado do PIB do período, o Brasil ocupa a 5ª colocação na margem, a 8ª colocação na comparação interanual e a 7ª melhor posição no acumulado em quatro trimestres. Turquia (2,4%), China (1,6%), Arábia Saudita (1,3%) e Coreia do Sul (1,3%) lideram o ranking na margem, com ajuste sazonal. O G20 é formado pelos ministros de Finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo mais a União Africana e a União Europeia.

Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe Isso
- Advertisement -