Homem sobrevive a chacina e relata como escapou da mira de criminosos fortemente armados; confira

0
TV Cabo Branco/Reprodução

Um dos sobreviventes da chacina que resultou na morte de seis pessoas, ocorrida na noite deste domingo (10), no município de Marcação, no Litoral Norte da Paraíba, revelou como escapou da morte. Segundo a vítima, os criminosos já chegaram atirando.

“Só mandavam tudinho se abaixar. Eu só lembro que eu me deitei no chão. Ele atirou em mim e eu fingi que morri. Depois eles saíram atrás dos outros. Eu aproveitei e corri”, disse em entrevista à TV Cabo Branco, afiliada da TV Globo. Ele levou um tiro de raspão no braço e não precisou nem ser hospitalizado. A vítima, que não será identificada por questões de segurança, disse não saber o que motivou o crime.

Na casa onde aconteceu o crime, localizada na Aldeia Caieira, localizada em terras indígenas Potiguara, estavam pouco mais de 10 pessoas que tinham chegado de uma festa e continuavam a beber no local. As polícias Civil e Militar dizem que a casa funcionava como ponto de tráfico de drogas. A suspeita é de que o local estava no centro de uma disputa por território de tráfico de drogas.

Segundo relato, um grupo de homens encapuzados saíram de um matagal pouco antes da meia-noite com espingardas calibre 12 e revólveres calibre 38. Parte das pessoas tentaram fugir para o mato, parte correu para dentro da casa. O homem foi um desses.

O sobrevivente é da mesma família em que era a maioria dos mortos. Eram parentes dele Adriana Gomes da Silva (41 anos), Fabiana Firmino da Silva (idade não revelada), Maria Clara Gomes Barbosa e Eduardo Gomes (13 anos). Fabiana estava grávida e era a única não-indígena entre os mortos. Além desses quatro, morreram ainda os também indígenas Douglas Fidelis Vasconcelos (19 anos) e José Rodolfo dos Santos Justino (15 anos).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.