Grupo da reforma política na Câmara aprova novo modelo para escolha de deputados e vereadores

Por Redação
2 Min
cc3a2mara-federal-fabio-rodrigues-pozzebom-abr
O modelo segue o que parlamentares chamaram de voto proporcional regionalizado | FOTO: Reprodução/Rodrigues Pozzebom/ABr |

Na reta final dos trabalhos, o grupo da Câmara que discute sugestões para a reforma política aprovou nesta quinta-feira (17) um novo sistema para eleição de deputados e vereadores. O modelo segue o que parlamentares chamaram de voto proporcional regionalizado. Com isso, os Estados serão divididos por regiões e os candidatos vão disputar os votos nesses distritos e não mais em toda unidade da Federação. Pelo esboço do projeto, São Paulo terá nove distritos, Rio de Janeiro seis distritos e Minas Gerais sete distritos, por exemplo. Os candidatos continuam sendo eleitos de forma proporcional como ocorre atualmente. A proposta foi costurada pelo grupo em cima de uma sugestão apresentada pelo deputado Marcos Pestana (PSDB-MG). Ele alegou que essa ideia aproxima o eleitor do candidato e amplia o controle social. O tucano disse que em 2010 percorreu 116 municípios mineiros atrás de voto.

 

“Isso não existe. Isso é uma vida de cão. Com essa mudança amplia o controle social porque fica mais fácil o eleitor lembrar em quem votou e associar a suas ações no Legislativo”, disse. O grupo rejeitou uma proposta para voto em lista fechada. Na próxima semana, os deputados vão discutir o financiamento de campanha. A tendência é que seja aprovado um sistema misto, com financiamento público e privado. Os deputados também devem rediscutir o fim da reeleição e o mandato de cinco anos. Os trabalhos do grupo devem ser concluídos no fim do mês. A previsão é que os projetos aprovados pelo grupo comecem a ser analisados em novembro pela Câmara. As informações são da Folha de S. Paulo.

 

Compartilhe Isso
- Advertisement -