Facebook lança recurso para orações on-line e divide opinião de religiosos

0
Por: Reprodução

O Facebook lançou um recurso para pedido de orações. Apesar de ser uma ferramenta para engajar fiéis, líderes religiosos têm preocupações acerca da privacidade e segurança. Alguns pontuam que a empresa estaria ganhando dinheiro em cima da fé das pessoas.

A nova funcionalidade está em versão de teste em grupos religiosos dos Estados Unidos. Nesses grupos, os fiéis pedem orações para ajudá-los em entrevistas de emprego, no tratamento de doenças e outros desafios pessoais. Depois que a postagem vai para o ar, outros usuários podem reagir com “eu orei” ou outras reações já existentes, deixar comentários ou enviar mensagem privada para o dono do post.

“Durante a pandemia da covid-19, vimos muitas comunidades de fé e espiritualidade usando nossos serviços para se conectar, então estamos começando a explorar novas ferramentas para apoiá-los”, diz nota de um porta-voz da empresa.

A política de dados do Facebook permite que as informações dos usuários sejam utilizadas de várias formas, como na personalização de anúncios. Contudo, a empresa afirma que mensagens de oração não serão usadas para esse fim.

O recurso divide opinião de religiosos. O Reverendo Robert Jeffress, da 1ª Igreja Batista em Dallas, disse à AP que a rede social está sendo extremamente importante na pandemia e que, como qualquer outra ferramenta, pode ser mal utilizada.

“O Facebook e outras plataformas de mídia social continuam a ser ferramentas incríveis para evangelizar e conectar os crentes entre si, especialmente durante esta pandemia”, falou Jeffress. “Embora qualquer ferramenta possa ser mal utilizada, apoio esforços como esse, que incentivam as pessoas a se voltarem para o Deus único e verdadeiro em nossos momentos de necessidade”, completou.

Adeel Zeb, líder muçulmano do The Claremont Colleges, na Califórnia, se disse otimista, mas tem algumas ressalvas. “Contanto que essas empresas tomem precauções e protocolos adequados para garantir a segurança das comunidades religiosamente marginalizadas, as pessoas de fé devem embarcar no apoio a esta iniciativa vital”, declarou à publicação.

O reverendo Bob Stec, pastor da Paróquia Católica de St. Ambrose, em Ohio, reconheceu a boa intenção. No entanto, ele afirmou que a comunidade on-line não substitui a necessidade de orar da forma tradicional. “Precisamos juntar nossas vozes e mãos em oração. Precisamos ficar ombro a ombro uns com os outros e passar por grandes momentos e desafios juntos”, falou à AP.

Sobre a segurança dos fiéis, o pastor questiona se “é sensato postar tudo sobre todos para que o mundo inteiro veja”. “Quando estamos sob estresse ou angústia ou em um momento difícil, é quase muito fácil entrar em contato com todos no Facebook”, avaliou.

Jacki King, ministra para mulheres na Second Baptist Conway, congregação Batista do Sul em Conway, Arkansas, vê o benefício que a comunidade pode ter para pessoas que estão isoladas em meio à pandemia e lutando contra problemas de saúde mental, finanças e outros. “Eles são muito mais propensos a entrar e fazer um comentário do que entrar em uma igreja agora. Isso abre uma linha de comunicação”, disse.

O bispo Paul Egensteiner, da Igreja Evangélica Luterana no Sínodo Metropolitano de Nova York, tem ressalvas sobre o Facebook, mas está satisfeito com o novo recurso. “Espero que este seja um esforço genuíno do Facebook para ajudar as organizações religiosas a avançar em sua missão”, falou. “Também oro para que o Facebook continue melhorando as suas práticas para impedir a desinformação nas redes sociais, o que também está afetando nossas comunidades religiosas”, completou.

O reverendo Thomas McKenzie, da Igreja do Redentor, uma congregação anglicana em Nashville, Tennessee, lamentou que o Facebook esteja disposto a explorar a fé das pessoas por dinheiro. Ainda assim, disse enxergar o lado positivo da iniciativa. “As motivações malignas do Facebook podem ter fornecido uma ferramenta que pode ser usada para o bem”, disse McKenzie.

A Crossroads Community Church, uma congregação de Vancouver, Washington, tem o novo recurso no seu grupo do Facebook, que possui 2.500 membros. Por lá, são postados de 20 a 30 pedidos de oração por dia. Cada um deles obtém de 30 a 40 respostas.

Gabe Moreno, pastor executivo de ministérios, reconhece que as motivações do Facebook não são altruístas. De qualquer forma, ele vê benefícios para as igrejas e os fiéis. “Devemos ir aonde as pessoas estão. As pessoas estão no Facebook. Então, vamos lá”, concluiu.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.