Dados de 16 milhões de pacientes que fizeram teste de Covid-19 vazam na internet, incluindo Bolsonaro e ministros

0
Foto: Estadão

Ao menos 16 milhões de brasileiros que tiveram diagnóstico suspeito ou confirmado de Covid-19 tiveram seus dados pessoais e médicos expostos na internet durante quase um mês. Na lista, há nomes como o presidente Jair Bolsonaro e familiares, além dos ministros Eduardo Pazuello, Onyx Lorenzoni e Damares Alves; governadores de 16 Estados, além dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Tudo aconteceu por causa de um vazamento de senhas do sistemas do Ministério da Saúde. Mas os dados não ficaram disponíveis por conta de um ataque hacker: sem querer, um funcionário do Hospital Albert Einstein divulgou uma lista com usuários e senhas que dava acesso aos bancos de dados de pessoas testadas, diagnosticadas e internadas por covid nos 27 Estados. O hospital tem acesso aos dados porque está trabalhando em um projeto com o ministério.

Informações como CPF, endereço, telefone e doenças pré-existentes, como câncer e HIV, além do diagnóstico para o coronavírus, foram liberados. A exposição dos dados foi descoberta pelo Estadão após uma denúncia recebida pela reportagem com o link para a página onde as senhas dos sistemas estavam disponíveis. A redação confirmou que, com essas senhas, era possível acessar os registros de Covid-19 no E-SUS-VE (no qual são notificados casos suspeitos e confirmados para quadros leves ou moderados) e o Sivep-Gripe (onde são registradas todas as internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave).

A planilha com as informações foi publicada em 28 de outubro no perfil pessoal de Wagner Santos, cientista de dados do Einstein, na plataforma github, usada por programadores para hospedar códigos e arquivos. Desde então, qualquer pessoa pode usar essas senhas para pegar as informações.

Alguns registros de pacientes internados traziam até informações do prontuário, como quais medicamentos foram administrados durante a hospitalização. No registro de Pazuello, por exemplo, era possível saber em qual andar do Hospital das Forças Armadas ele ficou internado e qual profissional deu baixa em sua internação. Tanto pacientes da rede pública quanto da privada tiveram seus dados expostos.

O Hospital Albert Einstein e o Ministério da Saúde disseram que as chaves de acesso foram removidas da internet e trocadas nos sistemas nesta quinta-feira (26/11). Afirmaram ainda que uma investigação interna será aberta pelo Einstein para apurar as responsabilidades.

De acordo com o ministério, o Einstein confirmou que houve falha humana de um dos seus colaboradores, não do sistema e informou que iniciou processo de apuração dos fatos. O órgão disse que está realizando “o rastreamento de possíveis sites ou ciberespaços onde os dados podem ter sido replicados”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Secured By miniOrange