Tatuagem pode aumentar risco de câncer

Por Redação
3 Min

Tatuagens estão na linha de frente das formas de expressão artística corporal. No entanto, um estudo recente publicado na revista científica eClinicalMedicine revelou uma possível ligação entre tatuagens e o risco de linfoma, um tipo de câncer que afeta o sistema linfático. Pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, conduziram a pesquisa, que envolveu 11.905 participantes, dos quais 2.938 tinham linfoma, com idades entre 20 e 60 anos.

Entre os participantes diagnosticados com linfoma, 21% possuíam tatuagens, totalizando 289 indivíduos, enquanto no grupo de controle, composto por pessoas sem historial da doença, 18% tinham tatuagens, um total de 735 pessoas. Após considerar fatores como tabagismo e idade, os pesquisadores concluíram que o risco de desenvolver linfoma era 21% maior entre aqueles que tinham tatuagens. A principal autora do estudo, Christel Nielsen, ressaltou a importância de confirmar esses resultados em futuras pesquisas, destacando que o linfoma é uma condição rara e que esses achados se aplicam a um grupo específico.

Uma descoberta surpreendente foi que o tamanho da tatuagem não influenciou significativamente o risco de linfoma. A equipe liderada por Nielsen esperava que tatuagens maiores estivessem mais relacionadas ao câncer do que tatuagens pequenas. No entanto, os resultados revelaram que a área da tatuagem não tinha um impacto significativo no risco de desenvolvimento da doença.

Nielsen explicou que o processo é mais complexo do que inicialmente imaginado, sugerindo que qualquer tatuagem, independentemente do tamanho, pode desencadear uma reação inflamatória no corpo que por sua vez pode contribuir para o desenvolvimento do câncer. Considerando que a maioria das pessoas faz sua primeira tatuagem em uma idade jovem, as exposições repetidas à tinta ao longo da vida podem potencialmente ter um efeito cumulativo.

O estudo também destacou a importância de futuras investigações para explorar a possível relação entre tatuagens e outros tipos de câncer, bem como a influência das tatuagens em outras doenças inflamatórias. Apesar dos resultados, Nielsen enfatizou que não é necessário proibir tatuagens, mas sim estar ciente dos potenciais impactos na saúde e consultar um médico se houver sintomas suspeitos relacionados à tatuagem.

Em suma, a pesquisa da Universidade de Lund lança luz sobre uma possível ligação entre tatuagens e o risco de linfoma, reforçando a importância de abordar com cautela essa forma de expressão artística corporal. Novos estudos são necessários para confirmar essas descobertas e expandir o conhecimento sobre os efeitos das tatuagens na saúde humana. A segurança e conscientização são fundamentais para os indivíduos que desejam expressar sua identidade através de tatuagens, pois garantir que isso seja feito de forma segura é essencial para a promoção da saúde e bem-estar.

Compartilhe Isso
- Advertisement -