Capacidade curiosa distinguiu Homo sapiens dos neandertais

Por Redação
3 Min

Os neandertais são objeto de estudo fundamental para melhor compreender a evolução da espécie humana, Homo sapiens. Evidências apontam que esses antepassados eram excelentes caçadores, artesãos e capazes de se comunicar através da fala e criar pinturas rupestres. No entanto, uma diferença essencial entre as espécies é a capacidade de criar metáforas.

Novas evidências anatômicas sugerem que os neandertais possuíam tratos vocais e vias auditivas semelhantes aos nossos, indicando que, anatomicamente, eram igualmente capazes de se comunicar verbalmente. Contudo, uma reconstrução digital 3D do cérebro dos nossos antecessores revela diferenças significativas na estrutura cerebral.

Os neandertais tinham um lobo occipital relativamente grande, o que os levava a dedicar mais matéria cerebral ao processamento visual e menos para atividades como a linguagem. Além disso, possuíam um cerebelo comparativamente menor, uma estrutura subcortical importante para funções como processamento da linguagem e fluência.

A evolução do cérebro humano moderno ocorreu após o surgimento do Homo sapiens há cerca de 300 mil anos. A forma esférica única do nosso cérebro resultou em alterações nas redes neurais, conectando agrupamentos semânticos isolados de palavras. Essas mudanças foram fundamentais para o desenvolvimento da capacidade de criar metáforas na linguagem e no pensamento.

Pesquisadores apontam que mutações genéticas associadas ao desenvolvimento neuronal e à conexão dos neurônios no cérebro humano contribuíram para essa capacidade única. A evolução do Homo sapiens resultou em redes neurais mais complexas e interligadas, diferente do que ocorreu no cérebro neandertal.

A capacidade de pensar e se comunicar por meio de metáforas marcou uma divisão profunda entre a espécie humana moderna e os neandertais. Embora as duas espécies fossem igualmente capazes de criar palavras e sintaxe, a diferenciação estava no armazenamento de ideias em grupos semânticos no cérebro.

Em resumo, a integração de metáforas na linguagem e no pensamento transformou a cultura e a comunicação do Homo sapiens, estabelecendo uma distinção crucial em relação aos neandertais. Esse aspecto evidencia a importância do estudo dos neandertais para compreender não apenas a evolução da nossa espécie, mas também o potencial único que desenvolvemos ao longo do tempo.

Compartilhe Isso
- Advertisement -