Nanopartículas melhoram diagnóstico de câncer de mama, veja em estudo

Por Redação
4 Min

Um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade de São Paulo (USP) trouxe uma abordagem inovadora para a identificação rápida de pacientes com maior risco de metástase devido ao câncer de mama. Esses pacientes apresentam altos níveis de expressão da proteína HER2, encontrada de forma anormalmente elevada na membrana das células cancerígenas.

A pesquisa propõe o uso de nanopartículas híbridas compostas de óxido de ferro e com revestimento polimérico, devidamente funcionalizadas para detectar esse tipo específico de células tumorais, mostrando um potencial promissor no diagnóstico do câncer de mama. Os pesquisadores afirmam que essa abordagem é uma alternativa viável e segura para os pacientes.

Embora represente um avanço no diagnóstico da doença, o estudo ainda está em estágios iniciais e enfrenta desafios futuros como testes em animais e amostras humanas. No entanto, os responsáveis pelo trabalho acreditam que as nanopartículas têm o potencial de melhorar os resultados clínicos, ressaltando a importância da colaboração entre várias áreas e instituições na busca por soluções inovadoras para combater a doença.

O estudo foi publicado na revista Nanomedicine. As informações foram divulgadas pelo Jornal da USP.

Frente a um cenário global, o câncer de mama emergiu como um problema alarmante nos dias atuais, superando o câncer de pulmão e se tornando o mais comum em todo o mundo. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), apenas no Brasil, até 2022 foram registrados 66.280 novos casos da doença, com uma estimativa de 61,61 casos a cada 100 mil mulheres. No ano de 2017, aproximadamente 16.724 óbitos foram causados pelo câncer de mama em mulheres, equivalente a um risco de 16,16 a cada 100 mil.

Estabelecendo metas globais, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu a redução da mortalidade pela doença em 2,5% ao ano até 2040. Essa meta visa evitar a morte de 2,5 milhões de pessoas em todo o planeta, refletindo a gravidade e a urgência das medidas a serem adotadas no combate a essa enfermidade tão devastadora.

O estudo revela importantes avanços na área oncológica, com potencial para impactar de maneira significativa o diagnóstico e tratamento do câncer de mama. A utilização de nanopartículas híbridas representa uma promessa para a identificação precoce de pacientes com risco aumentado de metástase, o que colabora de forma eficaz para o controle da progressão da doença.

Diante desse panorama desafiador, é fundamental investir em pesquisas e tecnologias inovadoras que possam contribuir para a detecção precoce e o tratamento eficaz do câncer de mama. A colaboração entre instituições, o apoio à pesquisa e o desenvolvimento de novas terapias são essenciais para enfrentar essa realidade preocupante e oferecer melhores perspectivas aos pacientes afetados por essa condição.

Em suma, o estudo realizado em conjunto pela Unicamp e USP representa um importante passo rumo a soluções mais eficazes no diagnóstico do câncer de mama, ressaltando a importância da inovação e da colaboração na luta contra essa doença que afeta milhares de pessoas em todo o mundo. A esperança reside no avanço da ciência e na busca incansável por estratégias terapêuticas cada vez mais assertivas e capazes de mudar o cenário atual desse grave problema de saúde pública.

Compartilhe Isso
- Advertisement -