Acompanhe as últimas notícias da Cidade de Candeias na Bahia com credibilidade na informação sobre política, esportes e ações policias da região.

Coisas do nosso país, diz Mourão sobre possível aval do STF a indulto

© Paulo Whitaker / Reuters

Vice-presidente eleito na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), o general Hamilton Mourão (PRTB) criticou nesta quinta-feira (29) a possibilidade de o STF (Supremo Tribunal Federal) considerar constitucional o indulto de Natal editado pelo atual presidente, Michel Temer (MDB), no ano passado.

O Supremo retoma nesta quinta o julgamento, suspenso na quarta-feira (28) com placar empatado em um a um.

“Temos no nosso país uma criminalidade, seja ela de nível mais baixo, que trafica droga, que rouba, que assalta. E temos uma criminalidade mais alta, que, ao que tudo indica, teremos uma decisão hoje, do nosso STF, que vai soltar parcela deste pessoal por meio do indulto do Natal. São coisas do nosso país. Vamos aguardar o que vai acontecer”, disse Mourão a empresários reunidos em evento da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

Ao falar de criminalidade, defendeu mudanças na legislação, que considerou leniente. “Permite que um marginal com um sexto da pena cumprida saia da cadeia e não volte mais”, afirmou.

Mourão também disse que é preciso enfrentar a proposta de redução da maioridade penal, pauta que parou no Legislativo.

“Temos que enfrentar a questão dos menores, quais tipos de crimes têm que ser enfrentados como se maiores fossem”, disse o vice-presidente eleito.

Aos empresários, Mourão contextualizou a ascensão de Bolsonaro à Presidência da República. Afirmou que, diante das crises política, econômica e de valores, a população buscou mudança e, o que começou como uma onda tornou-se um tsunami, que culminou com a eleição do candidato do PSL.

“Infelizmente, o lado que perdeu a eleição, desconhecendo o princípio básico da democracia, que é a alternância de poder, procura de todas as maneiras mostrar a figura do novo presidente como alguém que está não está adaptado aos tempos modernos. O presidente Bolsonaro é um líder, sempre foi. Mas, mais que isso, ele é um estadista. E o pensamento que ele tem desde já é na nova geração de brasileiros, e não nas próximas eleições”, disse Mourão.

Ainda diante da plateia, o vice-presidente eleito disse querer “deixar claro o compromisso do presidente Bolsonaro com a democracia, com a liberdade e com a justiça para todos. Fora disso não há futuro, fora disso não há Brasil”, declarou.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.