Brasil

Delatores reforçam suspeitas contra o ex-presidente Lula em caso de sítio e de terreno

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

(Foto: Ricardo Bastos/Folhapress)

Depoimentos de delatores da empreiteira Odebrecht reforçam as suspeitas de que a construtora concedeu benefícios pessoais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao realizar obras em um sítio em Atibaia (SP), usado pela família do petista, e ao comprar um terreno em São Paulo para abrigar o Instituto Lula.

As supostas ações da empreiteira em favor de Lula teriam ocorrido em 2010, quando o petista ainda ocupava a Presidência da República. O engenheiro da Odebrecht Emyr Diniz Costa Junior afirmou que recebeu cerca de R$ 700 mil em dinheiro vivo para uso no sítio por intermédio da área da empresa especializada no pagamento de propinas e de caixa dois, o Setor de Operações Estruturadas.

Costa Junior disse que comprou um cofre para guardar os valores e o destinatário final das quantias foi o então assessor da Presidência da República Rogério Aurélio Pimentel, que trabalhava sob as ordens da família de Lula.

Pimentel seria o encarregado de pagar fornecedores e prestadores de serviço. Segundo o engenheiro, a Odebrecht bancou a compra de equipamentos de sauna, a expansão da piscina e a construção de uma edícula com quatro quartos e um depósito para abrigar uma adega, entre outras benfeitorias.

Já a suposta aquisição de um terreno para o Instituto Lula foi objeto de um depoimento de Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo. De acordo com o executivo, a Odebrecht aceitou realizar a compra da propriedade no valor de R$ 10 milhões, mas descontou o montante de um crédito que estava reservado pela empresa ao PT.

Um negócio simulado para esconder a participação da Odebrecht nessa operação teria sido foi feito com a participação do advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira, e da construtora DAG, que pertence a um amigo de Marcelo, relatou o executivo.

Porém, após essa transação Lula teria decidido não usar o imóvel pois preferia uma local mais “popular” e próximo a uma estação de metrô, disse Marcelo. Em nota, o Instituto Lula afirma que o ex-presidente não pediu nem autorizou ninguém a pedir que fossem feitas reformas no sítio, e nunca foi proprietário do imóvel. Em relação à propriedade na capital, o instituto relata que nunca recebeu qualquer terreno da Odebrecht. Roberto Teixeira afirma que jamais praticou atos ilegais em 47 anos de advocacia. (Folhapress)

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Click Para Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top