Acidente

Após acidente com a Chapecoense, diretor-geral da LaMia é preso na Bolívia

aviao_da_chapecoense_-_divulgacao

O diretor-geral da companhia aérea LaMia, Gustavo Vargas Gamboa, foi preso nesta terça-feira (6) durante uma operação feita por procuradores do Ministério Público da Bolívia dentro da investigação do acidente que matou 71 das 77 pessoas – dentre elas jogadores e dirigentes da Chapecoense – que estavam no voo rumo a Medellín, na Colômbia, na madrugada da última terça (29/11).
Os promotores também realizaram busca e apreensão na sede da LaMia, na cidade de Santa Cruz de la Sierra, e confiscaram documentos e computadores.
Os procuradores detiveram Vargas e o levaram à sede do Ministério Público Departamental de Santa Cruz. O diretor é um ex-militar da Força Aérea Boliviana, que entre 2001 e 2007 foi o piloto de vários presidentes do país – incluído o atual, Evo Morales.
Além de Vargas, foram detidos uma secretária e um técnico da companhia, que também foram conduzidos à sede do Ministério. Vargas é o pai de Gustavo Vargas Villegas, até a semana passada um dos funcionários do alto escalão da Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC) e que foi suspenso de suas funções devido à investigação sobre o funcionamento da companhia aérea.
Os procuradores ordenaram as prisões após ficarem várias horas revisando a documentação e os computadores da empresa. O material foi confiscado e levado em duas caminhonetes à sede do Ministério Público. As prisões aconteceram na véspera de uma reunião de autoridades judiciais de Bolívia, Brasil e Colômbia, que investigam a tragédia com o único avião da LaMia.
O procurador-geral da Bolívia, Ramiro Guerrero, disse que a investigação em seu país sobre o caso está aberta a princípio por um crime de descumprimento de deveres, mas que “certamente pode chegar a crime de homicídio culposo” contra os responsáveis. Horas antes da detenções, os procuradores bolivianos também foram ao escritório da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea (AASANA), no Aeroporto Internacional de Viru Viru, em Santa Cruz.
Neste caso, o alvo da busca e apreensão foi a sala da funcionária Celia Castedo, que questionou o plano de voo do avião da LaMia antes do acidente na Colômbia. Na última segunda-feira, Castedo deixou a Bolívia rumo ao Brasil, passou o dia em negociações com seu advogado e autoridades brasileiras e foi levada à noite à delegacia da Polícia Federal da cidade de Corumbá (MS) para que apresentasse um pedido de refúgio.
O ministro de Governo boliviano, Carlos Romero, afirmou que ela saiu do país ilegalmente, por isso a sua estadia no Brasil também seria ilegal. “(Castedo) Não utilizou nenhum ponto legal de controle migratório. Sua saída do país foi ilegal, sem passar pelos postos de controle migratório”. De acordo com ele, a saída de Castedo da Bolívia é “um claro sinal que visa evitar a ação da justiça” local.
Informações de Estadão Conteúdo
Clique para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top